Em 30 de dezembro de 2019, um oftalmologista da cidade de Wuhan (China) chamado Li Wenglian enviou mensagem para um grupo de colegas alertando que tinha atendido 7 (sete) pessoas com sintomas semelhantes aos causados pelo vírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave, conhecido pela sigla em inglês SARS e demonstrando sua preocupação com o risco de uma outra epidemia global semelhante a de 2003.

Postura das autoridades

Ao ter acesso a essa informação, o que as autoridades chinesas fizeram? Quatro dias depois do alerta emitido por Li, a polícia intimou o médico a comparecer ao Departamento de Segurança Pública onde o informaram de que ele poderia ser investigado por “espalhar boatos que perturbaram a ordem pública” e recebeu orientações para interromper o envio de “mensagens falsas”. O médico foi “convidado” a assinar um documento em que assumia a culpa por divulgar os “boatos” como forma de encerrar o assunto.

Na sequência dos fatos, o número de casos foi aumentando rapidamente, as autoridades locais reconheceram que a informação de Li estava correta e pediram desculpas públicas. Num roteiro dramático, Li Wenliang começou com tosse em 10 de janeiro, foi ao hospital para se consultar em 12 de janeiro, foi diagnosticado com o vírus em 30 de janeiro (um mês após emitir o alerta sobre o vírus) e faleceu em 06 ou 07 de fevereiro.

Há uma certa confusão sobre a morte do médico, pois inicialmente houve divulgação de que ele havia morrido no dia 06 às 21h30m, hora local. Alguns meios de comunicação publicaram a notícia que posteriormente foi desmentida. Porém, a morte foi novamente divulgada como se tivesse acontecido no início da sexta-feira, dia 07 de fevereiro, às 02h58m.

A desconfiança e seus desdobramentos

Epidemias não são algo novo no mundo, mas a postura das administrações públicas para gerir a crise é o diferencial para definir qual será o tamanho do impacto na população. A administração pública chinesa não investigou o alerta inicial emitido pelo médico Li Wenliang. Pelo contrário, reprimiu seu alerta, que poderia ter evitado muitas mortes, inclusive a do próprio médico.

Há desconfiança internacional de que os casos contabilizados pelo governo chinês estão muito abaixo da realidade. Especialistas internacionais indicam que apenas os casos mais graves estão sendo contados, os números se referem apenas às pessoas que manifestam os sintomas mais graves e que são hospitalizadas. É possível que a contagem oficial esteja desconsiderando as pessoas contaminadas que apresentaram sintomas leves ou que não apresentaram os sintomas. O governo centraliza a divulgação de informações e há relatos de pessoas que foram censuradas pelo governo por postarem casos de doenças na família. Há denúncias de que essas pessoas foram obrigadas pela polícia a apagarem as publicações.

Uma importante revista chinesa chamada Caijing denunciou que nem todos que morrem por coronavírus são incluídos na lista oficial. De acordo com a revista, os casos mais graves são mantidos nos hospitais, os demais são mandados para casa com ordem expressa de se manterem em quarentena. Esses casos de morte em casa não são contabilizados como decorrentes do coronavírus.

A desconfiança generalizada fez com que governos de vários países recomendassem que seus cidadãos saíssem da China ou  que não se deslocassem para lá. Em função do pânico instalado, muitos governos restringiram a entrada de chineses em seus países gerando inclusive, troca de acusações entre o governo chinês e outros governos.

As 5 principais falhas da administração pública chinesa

1 – NEGAR O FATO: As autoridades negaram a existência de um vírus com potencial letal em circulação e ignoraram o alerta do médico Li Wenliang, mais do que isso, houve opção por censurá-lo;

2 – SUBESTIMAR A GRAVIDADE DA SITUAÇÃO: Após admitir a existência da epidemia, as autoridades subestimaram a gravidade da situação e mantiveram alguns casos registrados em segredo;

3 – FALTA DE TRANSPARÊNCIA: O governo chinês prometeu transparência nas informações, mas em razão do elevado número de críticas suspendeu a liberdade de comunicação, redirecionou os esforços para o controle das mídias e da internet e reduziu as informações oficiais, dificultando o trabalho dos governos de outros países e de entidades internacionais de saúde;

4 – DEMORA EM AGIR: Ao demorar para admitir a epidemia e tomar as providências mais adequadas, a comunidade internacional não foi devidamente avisada fazendo com que a intensa circulação de pessoas que estiveram na China ou em contato com pessoas infectadas possibilitasse a propagação do vírus pelo mundo.

5 –  INEFICIÊNCIA NO COMBATE AO VÍRUS: Surgiram denúncias de que máscaras, trajes, óculos de segurança e outros materiais de proteção doados aos chineses não estavam chegando aos locais necessários. As denúncias eram de que médicos e profissionais de saúde precisavam improvisar máscaras e trajes de proteção e ficavam vulneráveis ao tratar os doentes enquanto políticos e altos servidores estatais utilizavam proteção de qualidade comprovada.

Mudança de rumo

Os números crescentes pressionaram o governo chinês a mudar a conduta. Vários administradores públicos diretamente envolvidos no controle local da questão foram demitidos pelo governo central. O método para contabilizar os casos de infecção mudou no dia 13 de fevereiro e isso fez com que o número de mortes passasse para 1300 e o de infectados saltasse para quase 60 mil pessoas. As autoridades chinesas tentam explicar que as mudanças são para promover mais agilidade no tratamento das pessoas infectadas, mas o efeito foi de insegurança internacional e medo de que o governo chinês desconheça a realidade da epidemia.

Um olhar estreito para um problema sistêmico

Diante da epidemia inicial, a administração pública chinesa lançou seu olhar somente para uma parte do sistema, a economia. Com o intuito de preservar a economia, o sistema todo foi colocado em risco. Sobrou crítica até mesmo para a Organização Mundial de Saúde – OMS por ter comemorado a estabilização do número de casos quando a realidade parece ser a não divulgação dos números. A OMS está sendo pressionada a cobrar um posicionamento claro e transparente por parte da China.

A importância econômica da China para o mundo demonstra que estamos inseridos num sistema global. Na tentativa de conter a epidemia, muitas cidades chinesas estão com suas indústrias e comércios paralisados, impactando a economia local e de todos os países que fazem negócios direta ou indiretamente com a China. Especialistas já estimam redução no PIB e na expectativa de crescimento da economia chinesa para 2020. Se confirmado, isso significará uma reação negativa da economia mundial.

Saúde, China!

A situação do momento envolve instabilidade nas bolsas de valores, importações e exportações comprometidas, redução na produção industrial, impacto no turismo, redução do consumo, etc. O mundo está em alerta pela China. Somos todos elos da mesma corrente. Quando uma parte adoece, a melhor alternativa é mobilizar as partes saudáveis para ajudar. Confiança e colaboração são estratégias eficientes de sobrevivência humana desde que o mundo é mundo – que as administrações públicas fiquem cientes disso. Que possamos aprender com os erros e acertos dessa jornada que ainda não terminou.

 

 

 

 

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.